Image Map Image Map
                                3 frutas exóticas para emagrecer.









Pitaia: a Pitaia é uma fruta com ação termogênica, que ajuda a acelerar o metabolismo eliminando as gorduras e também controlando o apetite. Além disso, tem uma substância chamada de tiramina, que ativa um hormônio chamado de glucagon e que estimula o próprio corpo a utilizar as reservas de açúcar e gordura para produzir energia. A pitaia é também uma fruta baixa em calorias pois 100 g da fruta tem 50 calorias. A pitaia inicia o seu período de safra em dezembro no Brasil, tendo sua produção concentrada no Estado de São Paulo, principalmente na região de Catanduva.




Lichias: as lichias têm cianidina que é uma substância que ajuda a queimar as gorduras. Esta fruta não contém gorduras e é rica em fibras e água o que auxilia na perda de peso. Apesar de ter carboidratos, a lichia tem baixa carga glicêmica o que leva o organismo a liberar menos insulina, que é um hormônio que quando produzido em excesso favorece o aumento de gordura abdominal. 100 g de lichias têm 66 calorias. Conforme a região, a colheita das lichias ocorre de novembro a janeiro e o primeiro local no Brasil com cultivo da lichia foi no Rio de Janeiro. Porém, em escala comercial, a produção se concentra no estado de São Paulo mas em Minas Gerais a cultura está em franca expansão.



Fisalis ou physalis: a fisalis é uma fruta com poucas calorias pois 100 g possuem apenas 54 calorias. Além disso, esta fruta tem um elevado poder antioxidante que ajuda no processo de emagrecimento e fortalece o sistema imune, assim como é rica em fibras, que vão regular o funcionamento do intestino e diminuir o apetite. De ciclo rápido e rústico, a fisalis pode ser plantada em qualquer época do ano e no Brasil, o cultivo desta fruta era voltado inicialmente apenas para a pesquisa e depois começou a sua produção no sul de Minas, na região sul de Santa Catarina e mais tarde no Rio Grande do Sul.

                   Fonte:Tatiana Zanin (Nutricionista)
                                       
            

Comente com o Facebook: